Porto Alegre, 3 de Setembro de 2019

Câmara de Vereadores de Porto Alegre suspende exposição com conteúdo crítico ao governo

Imagem: site nonada.com.br / divulgação

Imagem: site nonada.com.br / divulgação

A Câmara de Vereadores de Porto Alegre cancela a exposição ‘O Riso é Risco: Independência em Risco – Desenhos de Humor’, que contém charges e tirinhas críticas ao governo Bolsonaro, discutindo a independência do Brasil e sua soberania frente aos Estados Unidos, além de pautar questões indígenas, ambientais e de direitos humano [1]. A exposição ficou disponível menos de 24 horas, sendo recolhida por ordem da presidente da Câmara, a vereadora Mônica Leal (PP) [2]. De acordo com ela a exposição é um desrespeito e uma ofensa contra o presidente, que é um símbolo da nação [3]. Já o vereador Marcelo Sgarbossa (PT), que foi um dos facilitadores para a entrada da exposição, considera o ato como de censura [4]. Para um dos cartunistas, o encerramento precoce da exposição pode sinalizar o cerceamento do pensamento artístico, ele destaca que o episódio ‘é um sinal de que ou a democracia e a liberdade de expressão estão em perigo ou deixaram de existir’ [5]. Atendendo ao pedido da Associação Mães e Pais pela Democracia e do coletivo Juristas pela Democracia, a Justiça determina a reabertura da exposição, sob o argumento de que ‘qualquer ato fiscalizatório e inibitório estaria vinculado ao poder político ou ideológico dominante’ [6]. Vale lembrar que, em outros momentos, a associação de policiais militares apresenta pedido de esclarecimento criminal contra um jornal e quatro cartunistas que criticavam a conduta da polícia [7] e a Advocacia-Geral da União (AGU) solicita abertura de inquérito contra cartunista que critica o presidente [8]. Nesta mesma semana, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro autoriza censura do prefeito Marcelo Crivella da capital a uma obra com temática LGBT [9].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia a análise sobre o papel da charge política atualmente

Qual o papel da charge política hoje, segundo Laerte