Brasília, 22 de Novembro de 2019

Discurso crítico ao Governo do DF é censurado no Festival de Cinema de Brasília

Discurso crítico ao governo do DF sobre investimentos no setor cultural é censurado em Festival de Cinema de Brasília

Imagem: site Brail247.com / reprodução Youtube

Imagem: site Brail247.com / reprodução Youtube

Durante a 52ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, evento promovido pelo governo do Distrito Federal (DF), o ator Marcelo Pelucio pega o microfone para ler uma carta do Movimento Cultural do Distrito Federal e é censurado [1]. Antes de terminar sua fala, um segurança tentou tirá-lo do palco, mas é impedido por uma funcionária do festival; em seguida, o microfone do ator foi cortado [2]. A plateia reage com gritos de ‘censura’ [3]. A carta tinha como foco principal criticar o descumprimento ou a má execução das legislações de incentivo à cultura e do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) pelo governo do DF [4]. Vale ressaltar que o início do evento foi marcado por vaias durante o discurso do secretário de Cultura do DF, Adão Cândido, pois os espectadores reclamavam sobre o cancelamento do FAC [5]. Após o evento, a secretaria de Cultura publica nota afirmando que a manifestação de setores culturais no Festival ‘faz parte da própria vocação do cinema, que tem papel essencial na discussão de temas de interesse da sociedade’ e afirma que o evento recebeu o maior aporte direto do Governo do DF mesmo num cenário de rediscussão dos investimentos na cultura em âmbito nacional [6]. No terceiro dia do festival, o produtor Leonardo Mecchi lê a carta inteira que Pelucio não conseguiu terminar, se posicionando contra o impedimento à liberdade de pensamento [7]. Vale lembrar que, em âmbito nacional, os Correios não investiram em projetos culturais via Lei de Incentivo à Cultura (LIC) [8] pela primeira vez em anos e o governo federal não autorizou projeto com patrocínios culturais já combinados via LIC [9].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia as análises sobre a situação dos profissionais do setor cultural e como o governo desidratou a área da cultura

Na era Bolsonaro, trabalhar na área de cultura se tornou um pesadelo Como o governo Bolsonaro desidratou o setor cultural