Rio de Janeiro, 12 de Setembro de 2019

Ancine cancela exibição de filme brasileiro aos seus servidores

Imagem: site adorocinema.com.br / divulgação

Imagem: site adorocinema.com.br / divulgação

Mensalmente, os servidores da Ancine organizam a exibição de um filme nacional e realizam debate com membros da produção, porém a Secretaria de Gestão Interna da agência decide vetar a exibição do filme ‘A Vida Invisível’ nesta data [1]. A Secretaria informa que é inviável a reprodução do filme, pois o projetor da sala de exibição está quebrado; no entanto, o funcionário responsável pela manutenção do local afirma que não há nenhum problema técnico com o aparelho [2]. O filme foi indicado para disputar o Oscar de 2020 e uma das atrizes de seu elenco é Fernanda Montenegro, que foi reconhecida como crítica ao governo Bolsonaro depois que posou para a revista Quatro Cinco Um vestida como uma bruxa com uma fogueira de livros [3], em referência à censura na bienal de livros do Rio de Janeiro [4]. À época, a atriz foi duramente criticada por Roberto Alvim, diretor da Funarte e aliado ao presidente [5], que posteriormente se tornou Secretário da Cultura [6]. Karim Aïnouz, diretor do filme, declara que é um caso de censura, pois o órgão não justificou o motivo real da suspensão e retirou os cartazes da produção das paredes da Ancine [7]. Apesar de seu do cancelamento, o longa é projetado na Cinelândia para 500 pessoas em sessão aberta [8]. Funcionários da Ancine produzem documento questionando o cancelamento da sessão e a remoção de cartazes de filmes nacionais da sede [9]. Em outros momentos, o presidente Jair Bolsonaro ameaçou extinguir a Ancine se não pudesse filtrar as produções [10] e a cineasta Petra Costa é chamada de ‘militante anti-Brasil’ pela Secom [11].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.