3 de Janeiro de 2020

Bolsonaro diz que livros didáticos são ‘amontoado de muita coisa escrita’ e sugere reformas para 2021

Bolsonaro diz que livros didáticos são 'amontoado de muita coisa escrita' e sugere reformas para 2021

Imagem: site exame.com / Ueslei Marcelino/Reuters

Imagem: site exame.com / Ueslei Marcelino/Reuters

Ao sair do Palácio da Alvorada, o presidente afirma – sem ter sido perguntado por jornalistas – que, a partir de 2021, os livros didáticos utilizados nas escolas serão de produção própria e serão ‘suavizados’ em termos de conteúdo [1]. Segundo o presidente, ‘os livros hoje em dia, como regra, são um montão de amontoado de muita coisa escrita. Tem que suavizar aquilo’ [2]. Ele aproveitou a situação para criticar o que chama de ‘ideologia de Paulo Freire’, que seria um ‘lixo’ e dominaria o cenário escolar [3]. Vale ressaltar que os conflitos do presidente com Paulo Freire são frequentes [4] e são bandeira também o Ministro Abraham Weintraub [5].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia as análises sobre a agenda educacional de Bolsonaro antes mesmo dele ter sido eleito, o primeiro ano de gestão Bolsonaro na educação, por que 2020 será importante nessa área e a política do governo quanto a livros no decorrer do ano.

Educação, o primeiro ‘front’ da guerra cultural do Governo Bolsonaro "Sem avanços, educação vira ativo do bolsonarismo " Após ano turbulento, por que 2020 será decisivo para a educação no Brasil Outras formas de queimar livros