Exibindo todos os casos marcados com Expressão motivadora: Afirmação identitária e minorias

18 de Novembro de 2021

Presidente da Fundação Palmares reclama da linguagem do rap e do funk e critica Mano Brown

Para Sérgio Camargo a 'cultura' de usar ‘mano’ em todas as frases é reforçada nas letras do rap e do funk, além disso, o presidnte da Palmares ironiza a produção artista de Brown comparando-o com Machado de Assis.

Nas redes sociais, Sérgio Camargo afirma que ‘alguns ‘grupos’ acham que pretos têm que falar português ruim e usar ‘mano’ em todas as frases. Tal ‘cultura’ é reforçada nas letras do rap e do funk. A norma culta não é incompatível com a pele negra’ [1]. Ele também critica a ascensão do rap no país […]

Abrir caso

1º de Junho de 2022

Comissão da Câmara dos Deputados aprova requerimento para realização de audiência sobre a Barbie transexual

Os deputados Otoni de Paula (MDB) e Pastor Sargento Isidório (Avante) defendem a realização da audiência pública para debater as ‘implicações psicossociais em crianças’ do brinquedo

Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprova requerimento do deputado Otoni de Paula (MDB), subscrito pelo deputado Pastor Sargento Isidório (Avante), ambos da base aliada do presidente Jair Bolsonaro, para a realização de uma audiência pública para debater as ‘implicações psicossociais em crianças’ da boneca Barbie transexual [1]. O brinquedo foi […]

Abrir caso

28 de Fevereiro de 2022

Falta de apoio público ameaça a preservação da capoeira como patrimônio imaterial

De acordo com parecer do Iphan, dentre as reclamações coletadas estão a ausência de espaços públicos adequados para realizar as rodas, o enfrentamento de preconceito e a burocracia para obeter autorizações oficiais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) emite Parecer Final de Reavaliação [1] sobre a Roda de Capoeira e do Ofício dos Mestres de Capoeira, documento que objetiva a identificação ‘das transformações pelas quais o bem passou após o seu Registro’, constata os obstáculos e traz recomendações para a preservação desse patrimônio cultural [2]. […]

Abrir caso

Niterói, 10 de Junho de 2022

Após manifestação de vereador, shopping transfere exposição LGBT para local menos visível

Douglas Gomes (PL-RJ) publica nas redes sociais vídeo afirmando que as obras eram um 'aburdo' e 'trabalhavam para sexualizar crianças'

Vereador de Niterói (RJ), Douglas Gomes (PL), publica nas redes sociais vídeo afirmando que a exposição ‘Abecedário da Diversidade’, do artista plástico Diego Moura, composta por imagens de personalidades LGBTQIAP+ e por conteúdo informativo sobre a causa, é um ‘absurdo’ e ‘trabalha para sexualizar as crianças’ [1]. Dentre os homenageados estão o ator Paulo Gustavo […]

Abrir caso

Distrito Federal, 11 de Fevereiro de 2019

A pedido da Polícia Militar, escola apaga grafite com rosto de Nelson Mandela e ‘mural da inclusão’

Os murais, feitos por artistas voluntários, são pintados de branco logo antes da PM integrar a gestão da unidade no modelo de escola cívico-militar

Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) solicita à diretora da escola Centro Educacional 1 (CED 1) na Estrutural, Estela Accioly, que apague grafite com o rosto de Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul e ícone da luta pela igualdade racial, pintado por grupo de artistas voluntários, como apurado pela imprensa nesta data [1]. Junto […]

Abrir caso

25 de Maio de 2020

Fundação Palmares anuncia lançamento de selo ‘não racista’ para pessoas ‘tachadas de racistas’

De acordo com Sérgio Camargo, o selo seria dado à 'vítima de campanha de difamação e execração pública da esquerda' no intuito de 'restaurar a reputação de pessoas' que foram 'tachadas de racistas'

A Fundação Palmares, presidida por Sérgio Camargo, anuncia a decisão de lançar o selo ‘não racista’ [1]. Camargo publica em suas redes sociais que o selo seria um certificado de que a pessoa não seria racista, mas ‘vítima de campanha de difamação e execração pública da esquerda’, servindo para ‘restaurar a reputação de pessoas’ que […]

Abrir caso

11 de Abril de 2022

Deputado federal e antigas autoridades do governo criticam os artistas Taís Araújo e Lázaro Ramos por filme sobre racismo

As autoridades aliadas à gestão Bolsonaro condenaram o uso da Lei de Incentivo à Cultura no filme 'Medida Provisória' e falas dos artistas contra o governo federal.

Nas redes sociais, o deputado federal, Eduardo Bolsonaro, chama o diretor Lázaro Ramos e a atriz Taís Araújo de ‘sequestradores’, pois o filme ‘Medida Provisória’ – uma ficção distópica racial na qual brasileiros negros seriam mandados a força para o continente africano – beneficiou-se de 2,7 milhões de reais através da Lei de Incentivo à […]

Abrir caso

06 de Dezembro de 2021

Ancine atrasa o lançamento do filme ‘Medida Provisória’

Lentidão n aa análise de documentos requisitados adia estreia em 5 meses, a despeito da diligência da produtora.

Agência Nacional do Cinema (Ancine) deixa de responder pedidos de aprovação da data de estreia do filme ‘Medida Provisória’, que conta a história de uma distopia racial, e seu lançamento é adiado repetidas vezes [1]. O longa, que tinha sua estreia inicial prevista para novembro de 2021, não teve a data confirmada, pois questões burocráticas […]

Abrir caso

Rio de Janeiro, 06 de Junho de 2018

Prefeito do Rio de Janeiro critica peça com Jesus transexual e Secretaria de Cultura cancela sua exibição

Nas redes sociais, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, afirma que não vai tolerar ‘nenhum espetáculo, nenhuma exposição que ofenda a religião das pessoas’, se referindo à peça de teatro ‘O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu’, na qual Jesus Cristo é interpretado como transexual e que ocorreria durante a Mostra Corpos Sensíveis […]

Abrir caso

13 de Dezembro de 2021

Fundação Palmares troca o logo do machado de Xangô por cores da bandeira nacional

De acordo com o presidente da instituição, a nova logomarca representa 'a pátria sem divisões' e defende que pessoas negras não são 'eternas vítimas amarguradas'

A Fundação Palmares divulga o novo logo da instituição sem o machado de Xangô [1], instrumento de dois gumes, representando uma justiça responsiva, e que pertence ao orixá cultuado por religiões afro-brasileiras, como a umbanda e o candomblé [2]. De acordo com o presidente do órgão, Sérgio Camargo, a ‘nova logomarca […] é inspirada nas […]

Abrir caso