5 de Março de 2020

Bolsonaro usa vídeo de conteúdo sexual para criticar carnaval

O presidente afirma que está expondo 'a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades' e diz que 'é isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro'

O presidente da República Jair Bolsonaro compartilha em seu Twitter oficial vídeo gravado no carnaval de São Paulo em que um homem introduz o dedo no próprio ânus e, a seguir, outro rapaz urina em sua cabeça [1]. De acordo com a publicação do presidente, ele estaria expondo ‘a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conclusões [sic]’ [2]. No dia seguinte, Bolsonaro pergunta na rede ‘O que é golden shower?’, prática presente no vídeo [3]. Após a sua conduta ser amplamente desaprovada [4], Bolsonaro afirma que não pretendia criticar o carnaval [5]. A conduta do presidente é criticada do ponto de vista jurídico por ferir o direito à imagem, à honra e à livre expressão artística, já que seria um agente do Estado quem estaria reprovando a conduta [6]. Já do ponto de vista político, a controvérsia vem do que seria ‘falta de decoro’ do presidente (o que poderia dar causa inclusive a um pedido de impeachment, já que é um das hipóteses legais para isso), além de uma falsa representação do carnaval [7]. A postagem de Bolsonaro também se insere num contexto de críticas do presidente à festa popular e uma oposição entre o que seriam direito da família versus o LGBTQIA+ e movimentos feministas, de acordo com especialistas [8]. Outra visão é a de que Bolsonaro também se valeria de uma instituição, a presidência, para veicular informações e posicionamentos que não são compatíveis com o cargo [9]. Por fim, as postagens são apagadas pelo presidente após as pessoas na imagem terem impetrado mandado de segurança pedindo que fossem deletadas [10].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia análises sobre as consequências das falas de Bolsonaro, a dinâmica do governo em seu início, as postagens de Bolsonaro e a relação entre políticas públicas, sexualidade e conservadorismo

Desinformação e decoro: as implicações das falas de Bolsonaro O governo do fim Os primeiros meses de Bolsonaro, em seus tuítes O direito à prevenção da Aids em tempos de retrocesso: religiosidade e sexualidade na escola