Rondônia, 6 de Fevereiro de 2020

Governo de Rondônia determina recolhimento de livros com conteúdos ‘inadequados’ aos jovens em bibliotecas escolares

Imagem: site mundoeducação.uol.com.br / reprodução

Imagem: site mundoeducação.uol.com.br / reprodução

A Secretaria de Educação de Rondônia (Seduc) determina por meio de memorando o recolhimento de 43 obras literárias de bibliotecas de escolas estaduais sob a justificativa de ‘conteúdo inadequado’ para crianças e adolescentes; entre as obras listadas pode-se citar clássicos brasileiros como ‘Memórias Póstumas de Brás Cubas’ de Machado de Assis, e ‘Macunaíma’ de Mário de Andrade [1]. Em resposta à Folha de São Paulo, o secretário da Seduc, Suamy Vivecananda, nega a prática e, em seguida, afirma que ‘não tinha conhecimento da medida’ e determina o não recolhimento dos livros [2]. A ação é criticada pela Academia Brasileira de Letras e outras organizações [3]. No dia seguinte, o Ministério Público Federal instaura procedimento para investigar a atuação da Seduc [4]. A medida ocorre um mês após o presidente Bolsonaro declarar que livros didáticos ‘são um montão de amontoado de muita coisa escrita’ [5]. Vale lembrar que em setembro de 2019, ocorreram episódios semelhantes no Rio de Janeiro [6] e em São Paulo [7], com determinações para o recolhimento de materiais educativos (gibis e livros didáticos), em razão de conteúdo relacionado à identidade de gênero e à orientação sexual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia análises sobre autoritarismo e censura de livros na história.

O autoritarismo, a censura de livros e o sentido da história. A queima de livros na história e no presente.