1 de Agosto de 2019

Itamaraty veta livro cujo prefácio foi escrito por desafeto político do ministro das Relações Exteriores

Imagem: site vejasp.abril.com.br / Reprodução/Academia Paulista de Letras

Imagem: site vejasp.abril.com.br / Reprodução/Academia Paulista de Letras

O Itamaraty se recusa a publicar um livro que trata da biografia de Alexandre de Gusmão, diplomata que teve um papel fundamental na diplomacia brasileira, em razão do prefácio ter sido escrito por Rubens Ricupero, desafeto político do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e um dos maiores críticos à atual política externa brasileira [1]. O livro havia sido aprovado pelo conselho editorial da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag) vinculada ao Ministério, mas quando o prefácio foi inserido, o presidente da Funag afirmou que não publicaria o livro porque o autor do prefácio ‘ataca muito o ministro’ [2]. O autor do livro afirma se tratar de censura [3]. O Itamaraty justifica a não publicação em razão do material ter sido examinado sem o prefácio [4]. O prefácio em questão trata exclusivamente da trajetória de vida de Gusmão, sem fazer qualquer menção à política atual [5]. Com o veto do Itamaraty, a editora Record decide publicar o livro [6]. Vale notar que, em setembro, o Itamaraty pede a retirada de filme de festival internacional que conta a história de Chico Buarque, medida também vista como censura [7]. Além disso, Ernesto Araújo exclui curso sobre América Latina de formação de diplomatas [8] e retira conteúdos ligados às políticas econômicas de governos petistas de edital para ingresso na carreira diplomática [9].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia a análise sobre o lugar que Ernesto Araújo ocupa na diplomacia brasileira.

[NEXO] Qual o lugar de Ernesto Araújo na história da diplomacia brasileira