17 de Novembro de 2021

Governo federal censura questões do Enem, incluindo uma com texto de Fredrich Engels

Argumento de serem "questões sensíveis" é usado pelo governo Bolsonaro para excluir questões depois de uma "leitura crítica" da prova

Governo Bolsonaro é acusado de fazer intervenções na escolha das questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) [1]. Segundo apuração da imprensa realizada em 17/11, 24 questões do exame foram retiradas após uma ‘leitura crítica’, sob o argumento de serem ‘sensíveis’; depois, 13 delas voltaram a ser incluídas e 11 foram vetadas [2]. Para analisar as questões, servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), tiveram de imprimir a prova previamente, em um procedimento não adotado em anos anteriores [3]. Tal apuração se dá alguns dias após funcionários do Inep pedirem demissão por estarem sofrendo pressão psicológica do governo para retirarem questões do Enem consideradas controversas [4]. Nesta data, Jair Bolsonaro, ao conversar com apoiadores no Palácio do Planalto, nega que tenha havido interferências na elaboração do Enem [5]. Para especialistas, a crise no Inep, que começou com a demissão em massa de servidores, reflete desmonte das políticas de Educação no país [6]. Em 07/07 o Ministro da educação Milton Ribeiro é chamado para prestar esclarecimentos na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados sobre estabelecimento de uma comissão de revisão para retirar questões do Enem que tivessem ‘cunho ideológico’ [7].Uma das questões escolhidas para serem excluídas do Enem pelo Inep, após leitura crítica do órgão, trazia o tema da luta de classes através de um trecho da obra do escritor alemão Friedrich Engels ‘A situação da classe trabalhadora na Inglaterra’, escrita em 1845, onde o autor diz que a classe média têm interesses opostos aos da classe operária; contudo, a questão acabou sendo mantida por motivos técnicos de balanceamento entre questões fáceis, moderadas e difíceis na composição da prova [8]. Especialistas afirmam que a censura das questões é uma situação preocupante, pois mostra o descaso do governo federal com o maior exame educacional do país e o segundo maior do mundo [9]. Vale lembrar que, em 2019, a gestão Bolsonaro criou uma comissão para retirar ‘questões ideológicas’ do exame nacional, dentre os enunciados excluídos estavam perguntas relacionadas à personagem de quadrinhos Mafalda, letras de música de Madonna e Chico Buarque e poemas de Ferreira Gullar e Paulo Leminski [10].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia mais sobre as alterações feitas pelo governo federal no Enem

Desmonte do Enem é mais uma obra de Bolsonaro, especialista em destruição