Rio de Janeiro, 06 de Junho de 2018

Prefeito do Rio de Janeiro critica peça com Jesus transexual e Secretaria de Cultura cancela sua exibição

Nas redes sociais, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, afirma que não vai tolerar ‘nenhum espetáculo, nenhuma exposição que ofenda a religião das pessoas’, se referindo à peça de teatro ‘O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu’, na qual Jesus Cristo é interpretado como transexual e que ocorreria durante a Mostra Corpos Sensíveis [1]. E complementa dizendo que, enquanto for prefeito, irá ‘respeitar a consciência e a religião das pessoas’ [2]. De acordo com a Secretaria Municipal de Cultura, a peça seria apresentada em uma das arenas do Parque Madureira, porém, em decorrência de um processo judicial movido pelo perdedor da licitação do espaço, não é possível realizar nenhuma atividade no local até que o conflito seja resolvido [3]. Ainda, o órgão diz que a ordem judicial é anterior à fala de Crivella e que o espaço está ‘com todas as atividades suspensas há cerca de um mês’, portanto, não impactou somente a exibição [4]. Para produtora da mostra, o caso trata-se de censura, pois dias antes esteve na arena e um funcionário da Secretaria garantiu que estaria tudo certo para que a apresentação ocorresse [5]. A atriz transexual Renata Carvalho, que é protagonista da peça, repudia a fala do prefeito [6] e responde que ‘Jesus é a imagem e semelhança de todes menos de pessoas trans – é inapropriado’ [7]. A mostra é transferia para a Fundição Progresso, um centro cultural [8]. Dias depois, Crivella comenta novamente sobre a peça dizendo que ‘se você considera censura, eu vou dizer a você que é. É uma censura que garante os direitos de liberdade religiosa e das pessoas não serem ofendidas na sua liberdade religiosa. Não chamo isso de censura’ [9]. O grupo responsável pela mostra ‘Corpos visíveis’ realiza uma manifestação na zona norte da cidade em repúdio contra as declarações do prefeito e o cancelamento do evento [10]. Em nota, o grupo afirma que ‘trata-se nitidamente de censura à visibilização e livre expressão artística dos corpos LGBTQI+, femininos, negros e periféricos’ e defende que ‘a peça não busca ofender cristãos, mas cria um questionamento sobre a falta de tolerância e respeito nos tempos atuais pregando o respeito e o amor incondicional’ [11]. A peça também foi cancelada ou suspensa em Salvador [12], Garanhuns (PE) [13] e Jundiaí (SP) [14]. Além disso, Crivella vetou a exposição ‘Queermuseu’ no Museu de Arte do Rio [15] e, em 2019, determina a retirada de livro da Bienal por conter a imagem de dois homens se beijando [16].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia as análises sobre os conflitos em torno da peça ‘O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu’ e os atos de censura do prefeito Marcelo Crivella contra a população LGBT e leia também uma entrevista com a atriz transexual Renata Carvalho. Veja os vídeos de pastor respondendo às declarações de Crivella e da atriz comentando os atos de censura contra a peça.

O Evangelho segundo Jesus, rainha do céu: uma recepção ruidosa No mês do orgulho LGBT, Marcelo Crivella nos censura mais uma vez Renata Carvalho sobre transfobia e censura: “Me odeiam sem me conhecerem” Respondendo ao preconceito de Crivella - Pastor Henrique Vieira Renata Carvalho comenta atos de censura a "O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu" (2018)

Fontes