9 de Dezembro de 2021

Bolsonaro demonstra preconceito e ignorância sobre linguagem neutra

O presidente afirma que a linguagem neutra 'estraga' a língua portuguesa e os jovens

O presidente Jair Bolsonaro afirma que a ‘linguagem neutra dos gays […] estimula a molecada a se interessar por essas coisas’ e ‘estraga a língua portuguesa’ e a ‘garotada’ [1]. A fala é inserida durante uma discussão sobre o Enem e suas questões e o presidente afirma que o próximo exame ‘vai ser nosso’ [2]. No mês anterior, Bolsonaro disse que o Enem tem ‘a cara’ do governo [3] e o governo federal censurou questões da referida prova [4], como em ano anterior [5]. Vale lembrar que, em agosto, o secretário especial da Cultura criticou o uso do pronome ‘todes’ pelo Museu da Língua Portuguesa e ameaçou cortar verbas da instituição [6]. Em outubro, o governo de Rondônia proibiu a linguagem neutra em escolas e em editais de concursos públicos [7] e a Secretaria Especial da Cultura proibiu o uso da linguagem neutra em projetos financiados pela Lei de Incentivo à Cultura [8]. De acordo com agência de promoção dos direitos LGBTI+, em outubro, havia 34 propostas tramitando em Assembleias Legislativas de 19 estados brasileiros e no Distrito Federal [9]. O presidente afirmou, ainda, que não liberaria recursos para filmes com temática LGBTQIA+ [10] e vetou campanha publicitária de banco com diversidade sexual [11] e o governo federal suspendeu edital que selecionou séries relacionadas às questões LGBT para serem exibidas na TV pública [12].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia sobre o que é a linguagem neutra, quais seus obstáculos e soluções e saiba mais sobre a ação que discute a linguagem neutra no STF originada do caso do governo de Rondônia.

Entenda o que é o gênero neutro e por que o uso de 'x', 'e' ou '@' na linguagem Todxs contra x língua: os problemas e as soluções do uso dx linguagem neutrx Para 'todes': STF analisa linguagem neutra, debatida por educadores e alvo de conservadores, mas que sequer é usada em salas de aula