4 de Junho de 2020

Presidente da Fundação Palmares ofende Alcione após críticas políticas da cantora

Sérgio Camargo declara que a Alcione é ‘barraqueira’ e que despreza sua ‘insuportável’ música, após a artista criticá-lo por áudios vazados nos quais teria dito que o movimento negro é 'escória maldita'

Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares, declara que a cantora Alcione é ‘barraqueira’ e que despreza sua ‘insuportável’ música [1]. Ao compará-la com a cantora americana Ella Fitzgerald, ele afirma que não suporta ’30 segundos da voz de Alcione’ e que Fitzgerald ‘humilha Alcione como intérprete e como ser humano’ [2]. As declarações de Camargo são reação às críticas que Alcione fez durante uma live [3] após vazamento de áudios nos quais ele chama membros do movimento negro de ‘escória maldita’ e ‘vagabundos’ e se refere de forma pejorativa a uma mãe de santo [4] [5]. Na oportunidade, Alcione chamou Camargo de ‘zé ninguém’ e ‘sem noção’ [6]. A jornalista Vera Magalhães e a cantora Zélia Duncan saíram em defesa de Alcione; para Duncan, Camargo ‘não respeita, nem conhece a história do Brasil’ [7]. Em outros momentos, Camargo determina a retirada de nomes da lista de personalidades negras da Palmares [8] e critica os artistas Wagner Moura [9], Mano Brown [10], Zezé Motta e Djavan [11] e Tais Araújo e Lázaro Ramos [12] por suas opiniões contrárias ao governo federal. Em agosto de 2021, o Ministério Público pede o afastamento de Camargo de seu cargo na Palmares por denúncias de assédio institucional [13].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Análises sobre o caso

Leia as análises sobre a paralisia da Fundação Palmares no governo Bolsonaro e as implicações da gestão de Sérgio Camargo para a instituição.

Fundação Palmares: do discurso negacionista à paralisia do órgão O declínio da Fundação Palmares sob as ações de seu presidente